Aceitar!

Este website utiliza cookies para assegurar uma melhor experiência no nosso website. Saber Mais

pt
en

informações

214 124 300

Notícias

Hipertensão requer vigilância redobrada com as alterações de temperatura

05/09/2023

05/09/2023

Hipertensão requer vigilância redobrada com as alterações de temperatura

Com alterações significativas de temperatura, a probabilidade dos eventos cardiovasculares aumenta. O fim do verão e a aproximação ao outono podem potenciar uma reação cardiovascular e precipitar uma crise nas pessoas que já apresentam fatores de risco, aumentando, inclusivamente, o risco de enfarte agudo do miocárdio. Os principais sinais de alerta, que devem levar o paciente a procurar ajuda imediatamente, são as tonturas e as palpitações.


A hipertensão arterial é o principal fator de risco para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares graves, como o enfarte agudo do miocárdio e o acidente vascular cerebral (AVC). Em Portugal, um dos maiores e principais estudos da Sociedade Portuguesa de Hipertensão, desenvolvido em 2011 e 2012, revelou que a prevalência da hipertensão arterial, em Portugal, se situava nos 42,2%.

Quais pessoas são mais vulneráveis a alterações de temperatura? O risco de enfarte e de AVC aumenta? Com o calor, ocorre a vasodilatação, levando à queda da pressão arterial. Os mais afetados são idosos, que, em geral, já tomam medicamentos para a tensão e sofrem com a mudança repentina das dinâmicas circulatórias no corpo. Ainda assim, mantém-se a possibilidade que a tensão arterial suba, já que os seus organismos são sensíveis e têm reações vasculares mais exacerbadas.

Os médicos recomendam que hipertensos tomem a medicação ao acordar. Durante o sono, os vasos relaxam, mas a tensão volta a crescer rapidamente quando se desperta e é por esta razão que grande parte dos enfartes ocorrem no período matinal. É, assim, necessário manter, regularmente, um sono reparador, o que pode ser um desafio quando as temperaturas estão mais elevadas. Após os meses mais quentes, recomenda-se consultar o seu médico para avaliar a necessidade de ajustar a medicação e esclarecer quaisquer dúvidas que possa ter.

É fundamental que o doente hipertenso reconheça os sinais de alarme e recorra ao médico quando é necessário. O aparecimento, por exemplo, de tonturas, dor de cabeça ou visão turva, são alguns dos sintomas que poderão estar relacionados com o descontrolo da pressão arterial.

Qualquer alteração na terapêutica anti-hipertensora deve sempre, sem exceção, ser efetuada sob orientação médica. A sua gestão autónoma pode acarretar riscos sérios para a sua saúde, pelo que não deve hesitar procurar o seu médico assistente.

Na Joaquim Chaves Saúde, disponibilizamos consultas de Cardiologia nas nossas clínicas médicas, onde encontra médicos cardiologistas especializados no diagnóstico e tratamento de doenças relacionadas com a hipertensão arterial.

Partilhar esta notícia